Banner Haras Regina Topo
27 Abr 2017 | 21:24:01

Especial Leilão da Criação Nacional: Haras Regina


Universal Law: de corredor destacado à promessa na reprodução

Imagem: Porfírio Menezes/Divulgação JCSP

Tradição de tempos passados que se confunde com fortes investimentos em tempos atuais. Talvez essa seja a tônica da atuação de Sergio Luis Coutinho Nogueira, por meio do seu Haras Regina, na indústria turfística nacional. A priori uma farda atuante em leilões de outrem, agora a coudelaria também galga espaço no campo da criação. E o resultado da empreitada estará à disposição dos turfistas de plantão na etapa paulista do Leilão da Criação Nacional ABCPCC.

"A paixão pelos cavalos, e pela criação, vem de família. O nome do haras, aliás, é uma homenagem à minha avó, mãe de meu pai, que foi quem realmente me transmitiu o entusiasmo pelas corridas, e pela criação. Sendo sobrinho neto de José Paulino Nogueira, do Haras Bela Esperança, e filho de José Bonifácio Coutinho Nogueira, do Haras São Quirino, o gosto pela atividade existe desde que me entendo por gente. Eu e meu irmão, Toni, herdamos essa paixão. E hoje ele a desempenha no São Quirino e eu 'no' Regina", enfatiza Sergio.

O mencionado Haras São Quirino - localizado em São Paulo - é, também, um dos centros criatórios utilizados por Sérgio para a criação de seus pupilos - que ganham, ainda, os pastos de outras 3 localidades. 

"O Haras Regina cria em regime de pensionato. A maioria das minhas reprodutoras está na Fazenda Mondesir. Também em Bagé/RS há éguas minhas no Haras Fronteira. No Paraná criamos no Haras São José da Serra e em São Paulo no Haras São Quirino. Temos ainda uma sessão no Uruguai, que conta atualmente com 6 reprodutoras".

Sérgio posa ao lado de animal de sua propriedade: paixão de família

Imagem: Arquivo pessoal

Em que pese o extenso histórico em meio ao turfe, o Haras Regina - conforme antecipado acima - possui retrospecto recente no ramo da criação. A base criacional da coudelaria deu os seus primeiros passos há cerca de dez anos.

"Minha família, como sabido, sempre criou. Em 2007, alguns anos após o falecimento de meu pai, adquiri uma égua: a High Heels, que viria, por sinal, a nos 'dar' dois ganhadores de grupo, o Olympic Canada e a Olympic Berlin. Desde então seguimos na batalha. Hoje o Haras Regina conta com cerca de 28 reprodutoras em seu plantel".

Habituado desde logo ao convívio de grandes corredores - que ajudaram a escrever a história do Haras São Quirino -, Sérgio se divide, entre animais de sua propriedade, crioulos seus e corredores de terceiros, quando o assunto são os animais que marcaram a sua vida. 

"Dos 'meus', sem dúvida, o Universal Law foi o melhor. Ele venceu 3 provas de grupo I, incluindo um GP São Paulo, além de ter sido "cavalo do ano" no Brasil. Agora em abril ele retornará ao país para ser reprodutor, inclusive, e servirá no Haras São Quirino, em São Paulo. Outros que me trazem boas recordações são Snack Bar, que foi ganhador de dois páreos de G1, além de Conclusivo e Olympic Message. A Olympic Message foi, sem dúvida, a melhor égua que já defendeu a farda do Haras Regina. Como criador ainda persigo o meu primeiro G1, mas já contamos com os ganhadores de G2 Olympic Canada, Olympic Berlin e Olympic Bullet. Sobre o melhor que vi correr, é muito difícil citar um só. O Farwell me impressionava muito quando criança, e ainda me impressiona na memória, até hoje. A Elamiur, criada pelo meu tio avô José Paulino, que venceu os machos no Derby na Gávea, e o Viziane, ganhador do 'Brasil, do 'São Paulo' e que viria a servir no São Quirino, também me marcaram muito. Dos mais recentes, Immensity, Emerald Hill, Itajara, Quari Bravo, Dono da Raia e Bal A Bali são os que me vêm à cabeça. E atualmente eu mencionaria, ainda, a No Regrets. Ela é uma máquina!"

Quando indagado sobre seu planejamento, e decisões, para a escolha dos cruzamentos que gerarão seus futuros pupilos, Sérgio explica que, além de seu próprio envolvimento na atividade, também recorre aos serviços de terceiros.

Ganhadora de G2, Olympic Berlin é um dos destaques da criação Regina

Imagem: Gérson Martins

"O Renato Gameiro me ajuda muito na parte de escolha genética com o estudo de line-breedings, inbreedings etc. Depois o Paulinho Bergamo e eu escolhemos por biotipo e produção aproveitando as sugestões e indicações feitas pelo Renato Gameiro. Nesse ano que passou o meu amigo Facundo Maestro, do Uruguai, me ajudou também."

Com produção bastante diversificada - entre filhos de garanhões nacionais, e estrangeiros - a ser apresentada no Leilão da Criação Nacional, Sérgio não esconde que pluralidade é a palavra de ordem quando o assunto são os sementais que mais lhe agradam na criação nacional - e que são utilizados para a cobertura de suas éguas.

"O garanhão mais utilizado por mim nos últimos 2 anos, e que será novamente o garanhão que mais utilizarei em 2017 é o Agnes Gold, que produz muitíssimo bem. Também pretendo utilizar o Universal Law em ao menos 6 éguas do plantel. Possui quotas, ainda, do Drosselmeyer, First American e Redattore. E quase todos os anos adquiro, ainda, coberturas do Haras Santa Maria de Araras, e em especial do Wild Event", completa.

No Leilão da Criação Nacional ABCPCC 2017, o Haras Regina apresentará os seguintes produtos da geração 2015:

Arte Olímpica - fêmea, por Forestry e Ana Flavia (Elusive Quality)

Olympic Instagram – macho, por Drosselmeyer e Tocha Olímpica (Roi Normand)

Olympic Italy – fêmea, por Redattore e Development (Dynaformer)

Olympic Idaho – macho, por Acteon Man e Miss Serena (Singspiel)

Olympic Iberia - fêmea, por Conclusivo e Olympic Ballerina (Harlan's Holiday)

Olympic Invicto - macho, por Shanghai Bobby e Veramente Bella (Leroidesanimaux)

Clique aqui e acesse o catálogo do Leilão da Criação Nacional ABCPCC 2017 - etapa São Paulo.