Banner Haras Regina Topo
27 Abr 2017 | 21:28:54

Especial Leilão da Criação Nacional: Haras Santarém


Sylvio Bertoli e Impression

Imagem: Arquivo pessoal

Há pouco mais de 45 anos, quando dera seus primeiros passos na criação, dificilmente alguém suporia que Sylvio Bertoli chegaria tão longe com o seu Haras Santarém. Ao longo do tempo, a criação ali desempenhada rendeu resultados que hoje fazem do haras objeto de reconhecimento a nível nacional e internacional. E o histórico de emblemáticas conquistas faz do Haras Santarém, por certo, uma das principais atrações da etapa paulista do Leilão da Criação Nacional ABCPCC.

"Em meados dos anos 60 quando adquiri a propriedade inicial que deu origem ao haras, resolvi dar sequência a uma velha paixão de infância, iniciando, assim, minha trajetória como pequeno criador. Nas primeiras gerações (1968 a 1970) criei entre 3 e 4 produtos por ano, todos bons ganhadores entre Gávea e Cidade Jardim. À época batizava meus animais sempre com a inicial 'S', e desse grupo destaco Supremo, Sitiero, Símpulo e Satyricon. Em 1971 iniciei meu primeiro alfabeto do qual saiu a égua Abaíba (Twinsy), posteriormente reprodutora do Haras Santa Ana do Rio Grande e que viria a se revelar terceira mãe do derby winner paulista, Core Business. As gerações seguiam nascendo e ao servir um plantel mais refinado de reprodutoras ao reprodutor Orff (um ganhador do GP Consagração (gr.I), filho de Cigal) 'tirei' bons animais logo em sua primeira 'fornada': Gaiato, Gabelino e Garola, por meio de quem senti o sabor das vitórias clássicas. Ele ainda teria outras 3 gerações, sempre com destacados corredores, mas infelizmente viria a morrer em seguida. Isso me deixou um bocado triste", relata Bertoli a respeito de seu início na criação.

Em seguida, o Haras Santarém abiriria as portas de seus pastos para outra conhecida vocação de sua criação. Além de seus próprios animais, o estabelecimento passaria a abrigar éguas de pensionistas.

"Passei, então, a alojar alguns pensionistas que estavam construindo haras na Região mas já possuiam um plantel na criação. Foram eles na sequência: Haras Pemale, Arroio Butiá e Anderson. Nessa época, pude utilizar os garanhões Bereber e Sestero junto às poucas éguas que o Haras Santarém possuía naquele tempo."

Fora na década de 1990, porém, que o Haras Santarém dera a sua principal guinada. A negociação do imóvel que originalmente abrigava o haras permitiu que Bertoli viesse a adquirir outra propriedade. E essa mesma propriedade, anos mais tarde, serviria de berço para corredores de grande destaque.

"No final do século passado acabei vendendo as terras do Haras Santarém ao Grupo Positivo e adquiri o Haras Boa Fé, em São José dos Pinhais. O imóvel recém adquirido tinha cinco vezes o tamanho da área inicial. Ali reiniciei a formação de um novo plantel de reprodutoras e adquiri o reprodutor Parme, que acabou tendo poucas chances mas produziu bons animais incluindo Dragonet (ganhadora de G3 e exportada para a Irlanda), Hilaris (ganhadora de G2 e segunda em G1), Cyllarus (gamhador de G3), Dragonaço (ganhador de listed race), Honorifique (ganhador de listed race) e Hemérocalle (ganhadora de listed race) etc."

Glória de Campeão: ganhador de mais de US$ 9,2 milhões

Imagem: Andrew Watkins

E se Parme marcou a retomada do Haras Santarém na aquisição de reprodutores, o argentino Impression fora quem fizera história, de fato, nos pastos do haras. Importado no ano 2000 por Bertoli, o garanhão tordilho - recentemente desaparecido - ficaria eternizado como pai da maior preciosidade da criação Santarém: Glória de Campeão.

"Na sequência adquiri o argentino Impression, que veio para o Brasil com a missão de produzir o nosso Glória de Campeão, o cavalo que colocou o nome do Haras em todas as manchetes mundiais. Ele foi, sem dúvida, o cavalo que sempre sonhei em criar, e da forma como corria - e vencia - deixou o nome do 'Santarém' gravado para sempre na história do turfe."

Com 9 vitórias em 25 atuações produzidas entre Brasil, Cingapura, Emirados Árabes, Estados Unidos e França, Glória de Campeão imortalizou-se quando de sua vitória na Dubai World Cup (gr.I) de 2010. Primeiro animal brasileiro a fazê-lo na história, o neto de Clackson viria a superar o também paranaense Sandpit no rol dos PSI criados no Brasil de maior premiação conseguida no turfe internacional. Ao final de sua campanha, Glória de Campeão somava mais de US$ 9,25 milhões em prêmios. 

Inobstante o frisson causado por Glória de Campeão, houve outros resultados expressivos conseguidos por crioulos do haras nos anos que flertaram - antes, e depois - com os feitos do ilustre corredor. Irmão materno de Glória de Campeão, Alucard (um Patio de Naranjos) vencera o Grande Prêmio Paraná (gr.I) em 2007; já Jeton de Luxo (outro Impression) foi o campeão do GP ABCPCC (gr.I) em 2010, ano em que se sagrou "melhor velocista" no Troféu Mossoró. O ganhador do "Ipiranga", Outplay (First American) e ainda Oggigiorno (por Pioneering, múltiplo ganhador clássico em Maroñas e por 3 vezes colocado no GP José Pedro Ramirez), Elfishness (por Blush Rambler, ganhadora de G2), Pacchia (por Shirocco, ganhadora de G2), Endless Beauty (por Roi Normand, ganhadora de G3), Ochenton (por Amigoni, ganhador de G3), Navicello (por Political Force, ganhador de G3) também constam com brilho nas prataleiras de troféus.

"Fico feliz, também, pelo fato de ter criado aos meus pensionistas cavalos de bom nível técnico como Storm (G1), Nergy Seller (G1), Samba de Bamba (G3), The Buteler (G3), Tiger Woods (G3), Monzon (G2), Clod Ber Junior (G3), Big Spartan (G3), Lady Mary Anne (L), Blue Deep (L), Gaja Barbaresco (L), Estrela Giovanna (GP Turfe Gaúcho), dentre outros" afirma Bertoli, que igualmente relembra, com carinho, as importações de outros dois reprodutores: Tiger Heart e Pioneering.

Quanto aos garanhões que o Haras Santarém vem utilizando, no presente, Bertoli não deixa de mencionar suas empreitadas realizadas, além de seus garanhões definitivos - como Tiger Heart e Pioneering -, por meio das operações de shuttle. 

Um dos garanhões mais utilizados pelo Haras Santarém, Pioneering terá filhos seus, criados pelo haras, no Leilão da Criação Nacional

Imagem: Overbrook Farm

"Sempre prestigiei as importações temporárias como as de Macho Uno, Shirocco, Discreet Cat, Midshipman e recentemente estamos alojando dois novos milheiros: o irlandês Salto (Pivotal) e o norte-americano Courtier (Pioneerof the Nile). Procuramos cobrir metade das éguas em Tiger Heart e a outra metade dividimos entre os garanhões disponíveis que se encaixem nos estudos mais modernos de cruzamentos para nossas reprodutoras, que no momento são em número de vinte e duas", completa o criador.

No Leilão da Criação Nacional ABCPCC 2017, o Haras Santarém apresentará os seguintes produtos da geração 2015:

Sédulos – macho, por Salto e Elfishness (Blush Rambler)

Sinabung – macho, por Discreet Cat e Innocent Lady (Vettori)

Summus – macho, por Pioneering e Lavigne (Dynaformer)

Surprising - fêmea, por First American e Licca-Chan (Tiger Heart)

Saltatrix - fêmea, por Pioneering e Maria Callas (Burooj)

Sovereign - macho, por Forestry e English Home (Roi Normand)

Symbolus - macho, por Discreet Cat e Inny (Pulpit)

Sicut - macho, por Tiger Heart e Nip (Impression)

Clique aqui e acesse o catálogo do Leilão da Criação Nacional ABCPCC 2017 - etapa São Paulo.