19 Mar 2017 | 14:10:34

Filha do nacional Timeo, Tantiny assume a liderança entre as potrancas na Gávea

GP Luiz Fernando Cirne Lima (gr.III) rendeu nova taça ao Haras São José da Serra

Tantiny mostra que é de corrida na Gávea

Imagem: Gérson Martins

Atração do sábado (18) no Jockey Club Brasileiro, o Grande Prêmio Luiz Fernando Cirne Lima (gr.III), em 1.300m na pista de grama (pesada, com 5m de cerca móvel), para potrancas de 2 anos, marcou a vitória de Tantiny, filha do nacional Timeo e Tchelona (Northern Afleet), de criação e propriedade do Haras São José da Serra.

Debaixo de chuva Silence Is Gold (Agnes Gold) prontamente tomou a primeira colocação. Flacka (Put It Back) e Tantiny disputavam o segundo, correndo Ficha Certa (Put It Back) em quarto, e último.

Sempre com Silence Is Gold liderando, o reduzido lote ingressou na reta final. Flacka, num primeiro momento, dera impressão de que poderia atacar Silence Is Gold. Fora Tantiny, no entanto, na altura dos 300 finais, quem partira com tudo para cima das duas corredoras.

Devidamente corrigida por Wesley da Silva Cardoso (que mantinha o chicote em sua mão canhota), Tantiny deixou Flacka para trás e passou a atacar, então, Silence Is Gold, quando faltavam 200 metros para o disco. E não encontrando resistência na oponente, Tantiny tomou conta do páreo nos derradeiros 100 metros.

No disco, Tantiny trazia ¾ de corpo sobre Silence Is Gold, finalizando Flacka em terceiro a 11 corpos e ¼. Ficha Certa (29 e ¾) fechou raia em quarto.

Treinada no Vale da Boa Esperança por Dulcino Guignoni, Tantiny obteve a sua segunda vitória (a primeira clássica) em 3 corridas. Tempo de 1:24.76.

Mais notícias

Mercado: leilão de potros do Haras La Quebrada ultrapassa os 14 milhões de pesos

Quarenta e um produtos da geração 2015 estiveram à disposição dos compradores.

Ler na íntegra

Sublime, Winx conquista a 20ª vitória consecutiva

Australiana venceu o Colgate Optic White Stakes (gr.I) em Randwick.

Ler na íntegra

Negociado com Hong Kong, Cash do Jaguarete desfalca o Derby

Líder de geração deixa o Brasil com 2 provas de G1 no currículo.

Ler na íntegra