11 nov 2021 | 17:22:24

Criação: em Bagé, morre Put It Back

Garanhão do Haras Santa Maria de Araras marcou época, no turfe brasileiro e encerra seu ciclo aos 23 anos de idade.


Put It Back: um dos mais destacados garanhões, da criação brasileira, no Século XXI

Imagem: Haras Santa Maria de Araras

Morreu, nesta quinta-feira (11), em Bagé/RS, Put It Back, 23 anos, filho de Honour And Glory e Miss Shoplifter (Exuberant). O garanhão do Haras Santa Maria de Araras marcou época como um dos melhores reprodutores do Brasil, nas primeiras décadas do Século XXI.

Nascido em 1998, Put It Back foi às pistas por 7 vezes, nos Estados Unidos, vencendo em 5 delas. O Riva Ridge Stakes (G2), levantado em Belmont Park, consistiu na principal vitória de Put It Back, que, ao final da campanha, somava mais de US$ 230 mil em prêmios.

Tendo ingressado na reprodução na Flórida, cumpriu sua primeira temporada de monta no ano de 2002. Logo em sua geração de estreia, revelou In Summation, aquele que viria a ser seu principal produto, nascido no hemisfério norte. In Summation foi cavalo de 12 vitórias, incluindo o Bing Crosby Handicap (G1).

Em 2003, Put It Back foi importado pelo Haras Santa Maria de Araras. Debutou, portanto, com a letra “R” de seu proprietário, nascida no ano seguinte. Dela fazem parte, por exemplo, Rubia Del Rio e Requebra, ambas ganhadoras de G1, sendo a última também produtora de graduação máxima. Nítido foi outro sucesso (igualmente ganhador de G1) da primeira geração nacional de Put It Back, sem prejuízo de Rising Fever e Ricocó, ambos ganhadores clássicos no Brasil e posteriormente exportados.

Dali em diante, Put It Back somente faria expandir sua potência e influência, na criação nacional. A priori considerado um produtor de velocistas, o castanho passou a revelar-se, contudo, um dos mais versáteis garanhões dos campos brasileiros. Das pencas aos principais páreos do calendário clássico nacional, seu nome tornou-se referência de êxito e poderio genético.

Sem prejuízo da expressiva marca de 18 ganhadores individuais (até aqui) de G1, produzidos no Brasil, Put It Back rendeu ao turfe nacional alguns dos seus melhores animais, nos últimos anos. Talvez nenhum tenha brilhado tanto e feito tanta história, porém, quanto Bal A Bali. Um lídimo símbolo da produção de seu pai (venceu dos 1.000 aos 2.400 metros), Bal A Bali tornou-se o primeiro tríplice coroado da Gávea a vencer, também, o Grande Prêmio Brasil (G1). Igualmente vendedor de provas de G1 nos Estados Unidos, hoje milita no seletivo mercado dos reprodutores atuantes naquele país, tendo a sua primeira geração, que estreara em 2021, bons resultados.

Avô materno de sucesso (atualmente, por exemplo, brilha pelas patas de In Essence), Put It Back já conta, inclusive, com candidatos a levar adiante sua história. Múltiplo produtor clássico, Skypilot, do Haras Free Way, foi uma das primeiras experiências bem sucedidas, dentre filhos seus, na reprodução. Para 2022, os criadores brasileiros aguardam, com altas expectativas, o ingresso de Pimper’s Paradise, outro expoente da produção de Put It Back, no breeding shed, em Bagé.

Com 839 produtos registrados, até aqui, no Stud Book Brasileiro, Put It Back foi eleito, por 3 vezes, Melhor Garanhão, no Troféu Mossoró.

Mais notícias

Oceano Azul impressiona no GP Conde de Herzberg (G2)

Potro do Haras Figueira do Lago conquistou vitória esmagadora, no embate dos machos.

GP Pres. Júlio Mesquita (gr.III): Ouro Preto abandona o "perdedor" em alto estilo

Defensor de Marco Antonio Dexheimer é filho do nacional Desejado Thunder.

Liderança dos potros em jogo!

GP Jockey Club Brasileiro (gr.I) marcará embate da geração 2015 no festival máximo do turfe brasileiro.