24 fev 2017 | 17:38:42

Criação: nasce o primeiro filho de Treve

Uma das melhores éguas da história do turfe francês, Treve deu a luz, na última semana, ao seu primeiro produto. De acordo com publicação de Ollie O'Donoghue, no Racing Post, a corredora - de criação de Haras du Quesnay e propriedade do Sheikh Hamad Bin Khalifa Al-Thani - pariu um macho filho de Dubawi (Dubai Millenium) no Haras de Bouquetot (que pertence ao próprio Sheikh), na França.


Treve deu a luz a um macho de Dubawi; Shalaa será o próximo a cobrir a campeã
Imagem: Haras de Bouquetot

"Treve produziu um ótimo primeiro produto. Tudo correu bem e após alguns dias de atraso ela decidiu parir na hora do almoço. Ela e o potro estão muito bem. O próximo capítulo dessa história começa agora, e só nos resta torcer para que o potro seja tão veloz quanto os seus pais", declarou Benoit Jeffroy, stud manager do Haras de Bouquetot.

Um dos líderes de sua geração (2013) na Europa, e tendo encerrado precocemente sua campanha, Shalaa (Invencible Spirit) - que, a exemplo da ilustre égua, pertence ao Sheikh Hamad Bin Khalifa Al-Thani e também está alojado no Haras de Bouquetot - já foi selecionado para a próxima cobertura de Treve, ainda no primeiro semestre de 2017. Shalaa está cumprindo sua primeira temporada de monta neste ano.

Nascida em 2010, Treve (filha de Motivator e Trevise, por Anabaa) obteve 9 vitórias em 12 corridas. Bicampeã do Prix l'Arc de Triomphe (gr.I), ganhadora - em recorde - do Prix de Diane (gr.I) e ainda dos Prix Vermeille (gr.I) e Grand Prix Saint-Cloud (gr.I), Treve encerrou sua campanha com mais de € 7 milhões em prêmios. 

Mais notícias

Eliz do Jaguarete supera as mais velhas na PE Baronesa Marie Blanche Von Leithner

Potranca do Stud Jaguarete obteve firme vitória.

Rumo ao GP São Paulo, Bóris do Jaguarete vence o "14 de Março"

Filho de Amigoni emendou sua segunda vitória clássica consecutiva, sendo a primeira graduada

EUA: Coalizão de hipódromos vetará utilização da furosemida em provas para 2 anos e stakes

Grupo de hipódromos, que abrigam 86% dos stakes disputados no país, não permitirá a utilização da furosemida, nessas corridas, a partir de 2021. Um ano antes, em 2020, provas para animais de 2 anos terão a mesma restrição.