09 jul 2024 | 19:32:57

Em Bagé, Bien Sureño dará início à carreira de garanhão

Um dos melhores e mais consistentes milheiros do turfe brasileiro, nos últimos anos, múltiplo ganhador graduado iniciará suas coberturas, no próximo mês de agosto.


Corredor de amplos recursos, Bien Sureño notabilizou-se enquanto um dos melhores milheiros dos últimos anos, no Brasil.

Imagem: Porfírio Menezes/O Favorito Turfe

Já alojado na cocheira de garanhões do Haras Old Friends, em Bagé/RS, Bien Sureño encontra-se prestes a iniciar sua carreira de reprodutor. Tendo recém completado 8 anos, o alazão de Neverending Stud, ora em processo de cotização (para formação de condomínio), conduzido pela APPS, é uma das novidades da temporada de monta que se avizinha.

Tendo competido, em alto nível, dos 2 aos 8 anos, Bien Sureño notabilizou-se como um dos melhores e mais consistentes milheiros do turfe nacional, nas últimas décadas. Das suas 35 saídas, nada menos que 7 deram-se - ora na versão paulista, ora na versão carioca - no Grande Prêmio Presidente da República, que, em suas edições homônimas, representa os principais páreos, em 1.600 metros, abertos à participação de animais de 3 e mais anos, em todo o calendário brasileiro.

Em 2022, ingressou no seleto rol de campeões das duas "Milhas". Credenciado pelo double, foi eleito "Melhor Milheiro", no Troféu Mossoró 2021/2022 (também venceu na categoria de "Melhor Cavalo de 4 e Mais Anos").

Nos anos seguintes (2023 e 2024), formou a dupla, por duas vezes, no G1 disputado em junho, na Gávea. Na "Milha" (G2) do GP São Paulo, finalizou, respectivamente, em terceiro e segundo.

Ao todo, Bien Sureño deixou as pistas com 14 primeiros lugares - e mais de R$ 500 mil em premiações. Também foi ele vencedor dos Grandes Prêmios Governador do Estado (G2, 2x), Presidente do Conselho do Jockey Club (G2), Presidente José Cerquinho de Assumpção (G3), Alberto Santos Dumont (G3), Clássico Prefeito de São Paulo (L) e Copa ABCPCC Milha - Oscar Pacheco Borges. 

Seu pai, First American (Quiet American), desfalcou a criação brasileira, em 2017, e segue sendo lamentado enquanto um garanhão, potencialmente, subaproveitado. Representado por vencedores de provas clássicas disputadas em diferentes pistas e distâncias, First American possui o imponente percentual de 8% de ganhadores de black type, em sua produção. Nesse contexto, Bien Sureño apresenta-se enquanto candidato à sucessão do reprodutor cujos números, analisados em retrospectiva, indicam que lhe cabiam mais e melhores oportunidades, quando de sua presença - compartilhada entre Bagé e, ligeiramente, São José dos Pinhais/PR.

Se, observado o nome de seu pai, Bien Sureño representa a possibilidade de se explorar, adequadamente, o sangue de um semental "comprovado", sua linha materna, de igual modo, esteve em destaque, nas páginas e vídeos, que retrataram as corridas nacionais, nos últimos anos. Sua mãe, Notável Sureña (Redattore), venceu, por duas vezes, o Troféu Mossoró de "Melhor Reprodutora". Há pouco, os criadores locais perderam a oportunidade, inclusive, de se utilizarem dos serviços de outro descendente da matriz - o precocemente desaparecido Doutor Sureño. Trata-se, assim, de uma nova chance em se explorar uma das mais prolíficas linhas baixas da criação nacional, dos últimos anos.

Mais notícias

Macadamia vai até a Gávea e encanta no GP Margarida Polak Lara (G1)

Crioula e defensora do Haras Springfield, treinada em Curitiba, conquistou a primeira vitória de sua campanha, diretamente, na Taça de Prata de Potrancas.

Ghoul vence e se aproxima de recorde em Santa Anita

Crioulo do Haras Santa Maria de Araras venceu allowance, na Califórnia, e mesmo com cerca móvel ficou a menos de 1s do recorde dos 1.100 metros, na grama.

Jorge Ricardo sofre queda na Argentina e não vem para a semana do Brasil (ATUALIZADO)

Bridão brasileiro sofreu queda na reunião de quarta-feira, em San Isidro.