28 nov 2020 | 16:29:43

Magia Negra atropela com sucesso na XXVI Copa Japão de Turfe (G3)

Filha do nacional Molengão, de propriedade do Stud Magia, conquistou seu batismo clássico.

Magia Negra superou a má partida e venceu a Copa Japão

Imagem: Porfírio Menezes/Divulgação JCSP

Neste sábado (28), no Jockey Club de São Paulo, foi disputada a XXVI Copa Japão de Turfe (G3), em 1.600m na pista de grama, para éguas de 3 e mais anos. Vitória de Magia Negra, 5 anos, filha de Molengão e Altamira (Highest Honor), de criação do Stud TNT e propriedade do Stud Magia.

Relembrando os velhos tempos, História da Arte mandou-se para a ponta, após a largada. Surprising acompanhava-lhe, na segunda colocação, acionando a favorita Tweet em terceiro. Primavera era a quarta e Magia Negra, que não largou bem, corria na quinta e última colocação.

História da Arte e Surprising giraram para a reta final separadas por pequenas diferenças. Com Tweet batida, a disputa pela ponta parecia restrita, de fato, ao duelo travado entre as duas primeiras. Nos 300 finais, porém, despontou Magia Negra, com grande ação.

Em atropelada conduzida por Ruberley Viana, Magia Negra ultrapassou História da Arte e Surprising nos derradeiros 100 metros. Surprising, a ¾ de corpo, formou a dupla e impediu a dobrada do Stud Magia, ao livrar meia cabeça de vantagem sobre História da Arte. Depois, Tweet e Primavera. Não correu: Nocate.

Treinada por Eduardo Garcia, Magia Negra conquistou a 5ª vitória (1ª clássica) em 27 corridas. Tempo de 1:35.82.

Mais notícias

Curitiba: Just Speaker vence a primeira preparatória do GP Paraná

Corredor do Stud Lecce conquistou a Taça Hipódromo do Tarumã.

Ler na íntegra

Pontaseca inaugura a geração 2015 em pistas brasileiras

Filha de Forestry, pertencente a Jamil Name, venceu a Prova Especial Estreia.

Ler na íntegra

Court Lady e Onefortheroad: dinastias do turfe brasileiro

Resultados da semana máxima colocaram em voga, novamente, os nomes de duas das maiores matrizes brasileiras, de todos os tempos – bem como uma história que vem sendo escrita, há quase 5 décadas, por diferentes criadores, no Brasil.

Ler na íntegra