20 nov 2020 | 19:18:10

Pedigree & Black Type: os Ganhadores Clássicos no Brasil - 21ª Edição

Nesta edição: Dark Bobby, Olympic Icecream, Ouro da Serra e Ultimate Runner.

Dark Bobby

Imagem: Sylvio Rondinelli/Divulgação JCB

Dark Bobby – Criação: Stud Birigui – Propriedade: Stud Stabile Quintella

Grande Prêmio Presidente Vargas (G3) – 1.600m/grama – Produtos de 3 e mais anos – Gávea

Grande Prêmio Salgado Filho (G2) – 1.600m/areia – Produtos de 3 e mais anos – Gávea

Após firmar-se como excelente arenático, Dark Bobby passou a figurar com destaque, também, em pista de grama, sendo um dos melhores elementos da produção nacional de Shanghai Bobby (Harlan’s Holiday e Steelin’, por Orientate), que competiu, nos Estados Unidos, por 8 vezes, tendo conquistado 6 primeiros lugares.

Champion 2yo, Shanghai Bobby permaneceu invicto, nessa idade, com vitórias no Champagne Stakes (G1) e na Breeders’ Cup Juvenile (G1). Encerrou sua campanha, aos 3 anos, com mais de US$ 1,8 milhão em prêmios. Ingressou na reprodução, em 2014, tendo vindo ao Brasil, no mesmo ano, para cumprir, aqui, a temporada sul-americana.

O ganhador de G2, segundo colocado na Breeders’ Cup Sprint (G1), Shancelot, ao lado de Joevia e de Pirate’s Punch, figuram como os melhores elementos da produção norte-americana de Shanghai Bobby. Este deixou 110 produtos, no Brasil, dos quais 12 tornaram-se black type winners. Dentre eles, os ganhadores de graduação máxima Inforcer e Lamartine. Em 2018, Shanghai Bobby foi comercializado, em definitivo, com o Japão, para onde seguiu e serve, com alojamento fixo, no Arrow Stud.

Old Tune

Imagem: Arquivo JCB

A mãe de Dark Bobby, Magny Cours (Our Emblem), foi égua de 4 vitórias, em Cidade Jardim, onde também formou a dupla em listed races e obteve colocações em provas de G2. Além de Dark Bobby, produziu o promissor Nelson, que recentemente obteve sua segunda vitória, aos 3 anos, no Rio de Janeiro. Já a genitora de Magny Cours, Cat’s Night (Slap Jack), marcou época, na cancha reta nacional, recebendo o apelido de “Preta do Mangueirão”. Além de ter produzido a velocista, ganhadora de G1, American Night, Cat’s Night é, ainda, avó materna da tríplice coroada Old Tune, da ganhadora de G2, em Cidade Jardim, Dopio Vendetta, bem como de Verde-Mar, que, ao vencer prova de G3 na Suécia, tornou-se o primeiro animal brasileiro a conquistar prova graduada, na Europa.

Terceira mãe de Dark Bobby, Celina Igi (Pass The Word), além de Cat’s Night, gerou West Night, por sua vez mãe da múltipla ganhadora clássica (listed e G2), West Hope.

Inbreedings de Dark Bobby: Mr. Prospector (5x4) e Native Dancer (5x5). Família 1-w.

Olympic Icecream

Imagem: Sylvio Rondinelli/Divulgação JCB

Olympic Icecream – Criação: Haras Regina – Propriedade: Stud BL Regina

Clássico Eurico Solanés (L) – 1.600m/grama – 1.600m/grama – Produtos de 3 e mais anos – Gávea

Dono de forte atropelada, Olympic Icecream tornou-se mais um black type winner, na América do Sul, para Discreet Cat (Forestry e Pretty Discreet, por Private Account), de 6 vitórias em 9 corridas. Aos 3 anos, após vencer o UAE Derby (G2), em Dubai, conquistou, nos Estados Unidos, a Cigar Mile (G1). Passou de US$ 1,6 milhão, em prêmios.

Discreet Cat ingressou na reprodução, na Darley America, em 2008. Os ganhadores de graduação máxima, Dads Caps, Discreet Marq, Secret Compass e Secret Spice são os principais nomes da produção norte-americana do garanhão.

Discreet Cat serviu, no Brasil, por uma temporada, em shuttling, no ano de 2014. O vencedor do GP Francisco Eduardo de Paula Machado (G1), Taksim; o arenático múltiplo ganhador clássico, Laurent e o vencedor de listed e G3, Ruud Gullit, são outros nomes de chamariz, além de Olympic Icecream, gerados aqui, pelo semental.

Em 2017, Discreet Cat foi enviado para o Japão, onde passou a servir, na seção local da Darley.

Quatro Mares

Imagem: Albatrozusa.blogspot.com

Dona de 1 vitória, na Gávea, Adios Goodbye (Northern Afleet) encabeça a linha baixa de Olympic Icecream e descende de Val D’Equine (Equalize), uma argentina que se notabilizou como mãe do excelente Quatro Mares, vencedor da Copa ABCPCC Clássica Matias Machline (G1) e, atualmente, reprodutor. Val D’Equine é, ainda, avó materna dos ganhadores clássicos Bom de Bola e Recompensado.

A terceira mãe de Olympic Icecream, Valery Toss (Egg Toss), foi vitoriosa em G2 e na reprodução revelou-se profícua matriz: deu à luz 5 ganhadores clássicos, incluindo a excelente velocista Vacacionada, vencedora da Carrera de Las Estrellas Sprint (G1).

Já a quinta mãe do corredor é, ninguém menos, que Vacacion (Voodoo), a melhor velocista argentina do início da década de 1970. Vacacion também produziu Vacilante, que além de excelente corredor (venceu, dentre outros páreos, o GP Dardo Rocha (G1)) tornou-se bastante marcante no Brasil, ao servir, como garanhão, no Haras Santa Maria de Araras.

Inbreedings de Olympic Icecream: Northern Dancer (5x5x5), Dr. Fager (5x5) e Buckpasser (5x5). Família 8-j.

Ouro da Serra

Imagem: Porfírio Menezes/Divulgação JCSP

Ouro da Serra – Criação: Haras Estrela Energia – Propriedade: Márcia Guidorzi Buffolo

Clássico Secretário de Estado da Agricultura (L) – 1.600m/areia – Produtos de 3 e mais anos – Cidade Jardim

Clássico Nelson de Almeida Prado (L) – 1.600m/areia – Produtos de 3 e mais anos – Cidade Jardim

Ouro da Serra (criação do Haras Estrela Energia e propriedade de Márcia Guidorzi Buffolo) é um dos mais versáteis produtos do japonês Agnes Gold (Sunday Silence e Elizabeth Rose, por Northern Taste). Em campanha, Agnes Gold foi à raia por 7 vezes, convertendo 4 delas em vitórias. As principais, em duas listed races disputadas na distância dos 1.800 metros, na raia de grama. Após 3 temporadas servindo, como garanhão, no Japão, veio ao Brasil no ano de 2009.

Agnes Gold conta, até aqui, com 8 ganhadores de G1: Abu Dhabi, Antonella Baby, Abidjan, Energia Fribby, Silence Is Gold, Mais Que Bonita, Ivar e Olympic Jhonsnow.

A primeira mãe de Ouro da Serra, Lágrima de Amor (Dancer Man), também produziu o ganhador de listed Energia Icon – irmão próprio de Ouro da Serra. Já a segunda mãe de Ouro da Serra, Point Reference (Reference Point), foi importada na década de 1990, pelo Haras Pemale, e também figura como segunda mãe de Orechino , segundo colocado para Bonaparte no GP Derby Paulista (G1)), de Poderosa Nativa, segunda colocada em provas de G3, e de Pode Ir, quarto colocado no GP Paraná vencido por Mr. Nedawi – à época corrido sob status de G1.

Motivator

Imagem: BBC

A terceira mãe de Ouro da Serra, Lonely Bird (Storm Bird) cumpriu campanha na Itália, onde venceu G2 e foi segunda colocada no Oaks Italiano (G1). A quarta, Reinvestment (Key To The Mint), teve seus primeiros contatos com a criação brasileira por meio das suas filhas (trazidas ao Brasil, pelo já mencionado Haras Pemale, nos anos 90) Private Deposit, terceira mãe de Leviatan, Padrão Global, múltipla ganhadora clássica, na Gávea, e Plim Plim, múltipla produtora clássica – além do garanhão Monsieur Renoir. Por fim, a própria Reinvestment veio ao Brasil, para servir no referido haras de Pedro Jarbas.

Merece menção, ainda, no pedigree de Ouro da Serra, sua sexta mãe, Lady Be Good (Better Self), uma norte-americana nascida em 1956 e notabilizada em razão dos diversos animais clássicos que dela descendem. Além dos já citados, outros exemplos brasileiros, advindos de sua extensa e bem sucedida produção são Widowhood e Kahyasin. No exterior, sem prejuízo de diversos outros, Motivator (vencedor do Epsom Derby (G1) e pai da bicampeã do Prix l’Arc de Triomphe (G1), Treve) tem em Lady Be Good sua quarta mãe.

Inbreedings de Ouro da Serra: Northern Dancer (4x5). Família 8-h.

Ultimate Runner – Criação e Propriedade: Haras Mabruk

Ultimate Runner

Imagem: Sylvio Rondinelli/Divulgação JCB

Grande Prêmio Mário de Azevedo Ribeiro (G3) – 1.600m/grama – Produtos de 3 e mais anos - Gávea

Grata revelação, em meio aos milheiros “cariocas”, Ultimate Runner rendeu novo êxito clássico para o legado de Quick Road (Jules e Jamaica Road, por Ghadeer), por sua vez dono de uma campanha essencialmente clássica e grande destaque da geração nascida, no Brasil, em 2003.

Das suas 14 saídas, Quick Road venceu 5 – sendo 4 de graduação máxima. Além do Grande Prêmio Juliano Martins (G1) e do Grande Prêmio João Adhemar de Almeida Prado – Taça de Prata (G1), Quick Road consagrou sua campanha ao emplacar o difícil double nos Grandes Prêmios Derby Paulista (G1) e São Paulo (G1). Sem prejuízo desses êxitos de G1, Quick Road venceu, ainda, o GP Ministro da Agricultura (G2), em recorde para a milha e meia paulista. 

A múltipla ganhadora de G1, exportada para os Estados Unidos, Off The Road, foi um dos principais nomes da produção de Quick Road – desaparecido em 2016. O ganhador do GP Paraná (G3), Ultra Bom, e os múltiplos ganhadores clássicos, Quick Hillie e Tupã Ceretã são outros nomes na lista de black type winners revelados por Quick Road. Na Argentina, seu filho On The Road venceu o 2000 Guineas (G1) de San Isidro.

A mãe de Ultimate Runner, Coupole (Tsunami Slew), de 3 vitórias, em Cidade Jardim, é uma das melhores matrizes do Haras Mabruk. Padreada por diferentes reprodutores (muitos dos quais, nacionais), revelou-se múltipla produtora clássica. O ganhador de listed, Ilano; o ganhador de G3, Landau e o também ganhador de G3, See The Sky, são outros ganhadores clássicos constantes na produção de Coupole. Outra filha desta, Katita Porã, figura como mãe de Tupã Ceretã, há pouco mencionado.

Immensity

Imagem: Turf & Fomento

Já a segunda mãe do corredor, Super Mensity (Stouci), conquistou 4 vitórias, em São Paulo – onde foi colocada, em listed races – e produziu o meio fundista, múltiplo ganhador clássico (listed, G3 e G2), Bekmensity. Outro produto seu foi Binoche, que, mesmo sem campanha, originou a ganhadora de G1, em São Paulo, Indochine, que, exportada, produziu, na Alemanha, o ganhador de G3, naquele país, Soul Train – além dos clássicos de listed, na França, Love And Peace e Linngaro. A ganhadora de G2, Ladyttore, é outro destaque da produção de Binoche. Encerrando as menções, dentre os filhos de Super Mensity, vem Givememore, ganhadora dos GGPP João Cecílio Ferraz (G2) e Guilherme Ellis (G3), em São Paulo, e stakes winner, em Calder, nos Estados Unidos.

Na posição de quarta mãe de Ultimate Runner, há a excepcional Monyagua (Montmartre), que além do tríplice coroado uruguaio – e posteriormente reprodutor, no Brasil – Hampstead, também deu à luz um dos melhores PSI brasileiros de todos os tempos: a super craque Immensity, que, dentre outros feitos, levantou o Grande Prêmio Derby Paulista (G1) e consagrou sua campanha ao vencer o Gran Premio Carlos Pellegrini (G1).

Inbreedings de Ultimate Runner: Bold Ruler (6x6). Família 12-d.

por Victor Corrêa

Mais notícias

Revista Turf & Fomento: confira as últimas digitalizações e a coleção completa

Trabalho de curadoria e recuperação da história do turfe brasileiro foi encerrado. Resultado encontra-se disponível no website da ABCPCC.

Ler na íntegra

É hoje! Leilão de Coberturas ABCPCC 2018

Evento será realizado às 18 horas desta quarta-feira (23).

Ler na íntegra

Tarumã: geração 2016 tem prêmios aumentados para R$ 6 mil.

Provas reservadas aos produtos de 2 anos passarão a constar na chamada de Curitiba a partir de dezembro.

Ler na íntegra