27 set 2020 | 18:28:57

Pimper's Paradise alcança a consagração no Grande Prêmio Brasil (G1)

Doce Vale, Venâncio Nahid e Alexandre Correia: as conexões vitoriosas do – craque – filho de Put It Back.

Em pé nos estribos, Alexandre Correia vibra com a vitória de Pimper's Paradise

Imagem: Sylvio Rondinelli

Apesar de todas as turbulências e peculiaridades de um ano tal qual este de 2020, turfistas de todo o país aguardaram, até este domingo (27) para vibrarem com mais uma edição do Grande Prêmio Brasil (G1). Destinada a produtos de 4 e mais anos, a prova máxima do turfe brasileiro consagrou a campanha de Pimper's Paradise, 5 anos, filho de Put It Back e Bye Bye Caroline (Royal Academy), de criação e propriedade do Haras Doce Vale.

Sem surpresas, Olympic Ipswich mandou-se para a ponta. Mondragon corria em segundo e Hard Boiled acionava em terceiro. Olympic Impact era o quarto e Galaxy Runner o quinto.

Desde cedo, Alexandre Correia posicionou Pimper's Paradise em sétimo. Na altura dos últimos 1.400 metros, percebeu-se que Jorge Ricardo, com Olympic Ipswich, havia conseguido “amarrar” um bocado o ritmo da prova. Hard Boiled, pedindo rédeas, corria em segundo, a menos de 1 corpo do ponteiro. Mondragon, também bastante próximo, seguia em terceiro.

Na cabeceira da curva, Olympic Ipswich desprendeu-se dos demais. No pelotão de trás, percebia-se Pimper’s Paradise passando para sexto, bem aberto: recurso do piloto para, apesar da perda de terreno, livrar seu conduzido de qualquer prejuízo.

Abordado o tiro direto, o ponteiro deu impressão. Porém, nos 400 finais, surgiu Pimper's Paradise, que rapidamente colocou Olympic Ipswich em sua mira. Nos últimos 300, Pimper’s Paradise tomou a dianteira, sendo que de trás evoluíam Olympic Impact, Abu Dhabi e George Washington.

Em que pese o valoroso esforço final de seus oponentes, Pimper’s Paradise manteve-se, com firmeza, na primeira colocação. Comemorações de Correia, novo jóquei da coudelaria, que ontem já havia vencido o “Brasil das Éguas” com Perigoosa, e hoje venceu, também pela primeira vez, o próprio GP Brasil.

Olympic Impact, confirmando as vitórias obtidas nas duas preparatórias do GP Brasil, formou a dupla a 1 corpo e ½. George Washington, vitorioso no ano passado, foi o terceiro desta feita. Abu Dhabi e He’s Gold completaram o marcador.

A seguir, Galaxy Runner, Olympic Ipswich, Hard Boiled e Mondragon.

Com a vitória, Venâncio Nahid igualou a marca do lendário Ernani de Freitas e, agora, com 6 conquistas, é um dos dois treinadores mais vitoriosos do GP Brasil. Profissional de talento ilimitado e muita admiração conquistada por parte da comunidade turfística, colegas e demais profissionais, Nahid confunde seu nome, portanto, com a própria história contada nas linhas da prova máxima do turfe nacional.

Pimper’s Paradise, por sua vez, alcançou sua 6ª vitória (4ª clássica) em 10 saídas. Apesar dos vários percalços que marcaram sua campanha e provocaram, por mais de uma vez, sua interrupção, o castanho superou a todas as adversidades surgidas em seu caminho. É dono, ainda, de primeiros lugares na Copa ABCPCC Clássica Matias Machline (G1), nos Grandes Prêmios Almirante Tamandaré (G2) e Escorial (G3), além de ter finalizado em terceiro no GP Latinoamericano (G1), disputado em San Isidro, no último mês de março.

Trata-se de um neto materno (assim como a já mencionada Perigoosa) da, cada vez mais, fantástica Onefortheroad. Esta, por sua vez, descendente da fundamental Court Lady.

Tempo de 2:26.46.

Mais notícias

EUA: Some In Tieme retorna em G3 no domingo

Brasileiro cumprirá sua primeira aparição, em 2018, no John B. Connally Turf (gr.III), em Houston.

Ler na íntegra

Dalheconquistadora supera as mais velhas no GP Presidente Antonio Grisi Filho (gr.II)

Potranca do Haras Clemente Moletta demonstrou sobras na melhor prova da tarde.

Ler na íntegra

EUA: aos 8 anos, Ohio vence stakes em Turf Paradise

Brasileiro, criado pela Fazenda Mondesir, foi o melhor no Cotton Fitzsimmons Mile Handicap.

Ler na íntegra