Banner Haras Regina Topo
04 Fev 2018 | 20:55:52

Como manda o figurino: Flight Time larga e acaba no GP Estado do Rio de Janeiro

Filho de Put It Back, pertencente a Black Opal Stud, confirmou favoritismo na abertura da tríplice coroa.

De ponta a ponta, Flight Time abriu a tríplice coroa

Imagem: Gérson Martins

Prova que deu início à tríplice coroa de potros, na Gávea, o Grande Prêmio Estado do Rio de Janeiro (gr.I), em 1.600m na pista de grama (leve), para produtos de 3 anos, marcou, neste domingo (4), a vitória de Flight Time, filho de Put It Back e Quanto Carina (Wild Event), de criação do Haras Santa Maria de Araras e propriedade de Black Opal Stud.

O que muito se especulava – e tinha tudo para tornar, ainda mais árdua, a tarefa dos adversários de Flight Time – ocorreu: favorito, Flight Time esfuziou na vanguarda, após a largada, passando a ditar o ritmo do páreo, sem ser combatido. À distância, Juan Manuel Fangio (Rock of Gibraltar) e Arrocha (Pounced) vigiavam as movimentações do ponteiro. Red Spirit (Public Purse) e Highlander Again (Dubai Dust) completavam o lote dos cinco primeiros.

Depois, Or Noir (Soldier of Fortune), El Zorro (Drosselmeyer) e Quarteto de Cordas.

Na curva, a diferença que separava Flight Time dos demais, diminuiu. O castanho, entretanto, seguia mandando e desmandando na competição. Abordado o tiro direto, Ângelo Márcio Souza seguia de posição alta no dorso de Flight Time, enquanto que Arrocha, Juan Manuel Fangio e Or Noir – este rente à cerca interna – tentavam aproximar-se do ponteiro.

Logo se viu, porém, que Flight Time, ao manter o ótimo ritmo, se faria uma barreira intransponível no caminho dos adversários. Por mais que, nos lances decisivos, sua vantagem tenha diminuído, em momento algum se teve a impressão de que Flight Time perderia o páreo. Quarteto de Cordas atropelou para empatar com Arrocha, vindo de correr o Derby Paulista, na segunda colocação, a 1/4 de corpo de Flight Time. Or Noir (1 e ¼) e Juan Manuel Fangio (2 e ½) no complemento do placar.

Red Spirit, Highlander Again, El Zorro finalizaram na sequência.

Treinado por Roberto Solanés (também responsável pelo treinamento de Arrocha), Flight Time mantém-se invicto, após 4 apresentações. Vitorioso na Prova Especial Daião e no GP Júlio Cápua (gr.III), Flight Time registrou expressiva marca de 1:32.08 para a milha.

A mãe, Quanto Carina, passa a integrar o seleto rol de reprodutoras com 3 ganhadores individuais de G1, tendo em vista as produções anteriores de Baccelo e Dolemite. Sétima mãe de Quanto Carina, a britânica Betty (Teddy) foi trazida para a América do Sul em 1945, numa importação do Haras Chapadmalal, da família Martínez de Hoz.

Além de Quanto Carina, produziram 3 vencedores de graduação máxima, cada, as seguintes reprodutoras brasileiras: Fausse Monnaie (Absolute Ruler, Velvet Green e Durban Thunder), Imperatriz Vivi (Brazov, French Opera e Prince Ali), Ocasião (Cisplatine, Deep Blue e Indian Chris), Onefortheroad (Ay Caramba, Éissoaí e Flymetothemoon), Risota (Drambuia, Hello Riso e Rabat), Sweet Honey (Suspicious Mind, Sirena e Sweet Eternity), So Beauty (Country Baby, El Paso e Fool Around) e Uff-Uff (Fluke, Hunka Hunka e I Scream).

Mais notícias

GP Paraná – Jockey Plaza (gr.III) recebe 11 inscrições

Comissão de corridas divulgou campos das provas clássicas do festival paranaense.

Ler na íntegra

Leilão de coberturas ABCPCC: relação de reprodutores inscritos

Evento será realizado no próximo dia 23 de maio. Garanhões participantes terão suas respectivas produções nascidas em 2019 credenciadas para participar da Copa dos Criadores.

Ler na íntegra

Gold Town impressiona no 2000 Guineas e mantém predomínio da Godolphin no carnaval de Dubai

Filho de Street Cry venceu prova de G3 aos esbarros e se firma, desde logo, como carta brava no UAE Derby (gr.II) de março.

Ler na íntegra