24 fev 2021 | 18:11:23

Aos 30 anos, Balanchine morre no Kentucky

Repleta de significados, histórica corredora segue sendo a última fêmea a ter vencido o Irish Derby (G1).

Balanchine vencendo o Irish Derby de 1994: desde então, nenhuma outra fêmea foi capaz de repetir seu feito

Imagem: Godolphin 

Poucos animais possuem tantos – importantes – significados quantos possuía Balanchine, que, na última semana, morreu, na Gainsborough Farm, no Kentucky, aos 30 anos.

Nascida em 1991, Balanchine (Storm Bird e Morning Devotion, por Affirmed) foi criada, nos Estados Unidos, por Robert Sangster (um dos fundadores da Coolmore), em seu Swettenthan Stud. Enviada, inédita, para a Inglaterra, conquistou duas fáceis vitórias, nas duas saídas inaugurais, aos 2 anos.

O chamativo começo de campanha despertou o interesse do Sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum, que, por sua vez, veio a adquirir a corredora. Ao vencer, em sua 4ª saída, o Irish Oaks (G1), Balanchine se tornaria a primeira ganhadora clássica da história da Godolphin. De igual modo, Balanchine representou o primeiro êxito clássico daquela que viria a ser uma das mais longínquas e vitoriosas parcerias do turfe internacional: Godolphin e Frankie Dettori. À época, o bridão italiano possuía 23 anos de idade.

Logo após a vitória no Oaks, Balanchine faria história ao derrotar os machos no Irish Derby (G1) - vide replay abaixo. Desde então, nenhuma outra fêmea foi capaz de fazê-lo, perdurando, portanto, um tabu de 27 anos.

Em 8 saídas, Balanchine conquistou 4 primeiros lugares, com prêmios superiores a US$ 850 mil.

Na reprodução, Balanchine teve em Gulf News, segundo colocado no Prix Niel (G2), seu principal produto.

 

 

Mais notícias

Ahaha deixou os machos para trás em Porto Alegre

Filha de Shanghai Bobby venceu o Clássico Tribunal Regional do Trabalho.

Ler na íntegra

Raquel’s Story atropela com sucesso na Prova Especial Plenty of Kicks

Corredora do Stud Eternamente Rio venceu o melhor páreo do dia, na Gávea.

Ler na íntegra

Moreira volta ao Japão para vencer G1 com Lys Gracieux

Piloto brasileiro brilhou na Queen Elizabeth II Cup (gr.I).

Ler na íntegra