19 nov 2020 | 14:50:34

Estudo analisa impacto da dominância na alimentação animal, em grupo

Projeto de pesquisa da Universidade de Bristol dedicou-se a analisar os impactos dos comportamentos dominantes, em populações equinas, durante alimentação, no pasto.

Quando o assunto é a convivência de populações equinas num mesmo ambiente, muito comenta-se sobre a influência que determinados indivíduos exercem nos hábitos alimentares dos demais. Alternância de piquetes, divisão de lotes para dormirem “presos” e outros “soltos”, dentre outras opções, são ações logísticas frequentes, vistas nos haras, mundo afora, a fim de permitir que os hábitos alimentares daqueles animais não sejam negativamente impactados, por motivos de convivência.

Mas, afinal de contas, quais são os reais impactos e desdobramentos, em matéria de alimentação, em grupos equinos que “competem” por um mesmo pasto?

Com a intenção de enfrentar a questão, um grupo de pesquisadores da Universidade de Bristol, propôs-se a estudar os hábitos alimentares de um mesmo grupo de equinos, sob o enfoque da influência da dominância – ou seja, em qual medida os líderes do lote comeriam mais e afastariam, os mais “fracos”, das melhores porções do pasto.

Ao todo, foram analisados 116 equinos, divididos em 20 lotes. Os animais restaram catalogados de acordo com a escala Henneke de avaliação física equina (clique aqui para saber mais), com pontuação de 4 a 8,5 pontos. O estudo foi conduzido durante o inverno, quando o pasto disponível é mais limitado e há, naturalmente, um maior ambiente de competição pelo alimento.

Durante os períodos de alimentação em grupo, no pasto, a duração, a frequência e o número de interrupções (comportamento vigilante, movimentação e interrupção do pastar para prestar atenção em outras coisas) foram anotados, como meio de medir a eficiência da alimentação, de cada um dos animais postos em observação.

Ao final do projeto, concluiu-se que a eficiência no pastar (com menos interrupções, dispersões ou distrações por parte do animal) possui uma correlação melhor estabelecida junto às condições corporais dos animais, do que questões relacionadas à dominância de um determinado indivíduo em detrimento de outros.

Em outras palavras, aqueles animais mais concentrados no ato alimentar são os que acusam melhores resultados corporais – havendo maior relação junto a isso do que a dominância exercida, particularmente, pelos “líderes” dos grupos estudados. Não foram identificadas variações relacionadas a idade e sexo.

Por outro lado, animais que se revelam atentos a ações ocorridas no entorno do grupo (erguendo a cabeça e orelhas, na ocasião de barulhos ou movimentos e, assim, interrompendo o ato de pastar) foram os que apresentaram as menores pontuações, em termos de condições corporais. Ou seja, animais vigilantes – que o fazem, inclusive, por exercerem papel dominante no grupo e prestam-se à função de “guarda” em benefício dos demais – costumam pastar menos e atingem pontuações menores de estrutura corporal.

A equipe responsável pelo estudo foi composta por Sarah Giles, Sean Rands (ambos vinculados à Universidade de Bristol), Pat Harris (junto ao Grupo de Estudos Equinos do Waltham Petcare Science Institute) e Christine Nicol (junto ao Royal Veterinary College).

Para acessar o estudo na íntegra, clique AQUI.

Para acessar a matéria publicada no website Horse Talk, clique AQUI.

Para acessar a matéria publicada no website Paulick Report, clique AQUI.

Mais notícias

Perigoosa supera Grandeza no GP Marciano de Aguiar Moreira (gr.II)

Égua do Haras Doce Vale obteve primeira vitória em prova graduada.

Ler na íntegra

Peron: o novo recordista de Porto Alegre

Defensor de Telmo Nunes Estrella venceu o Clássico Presidente Cneu Aranha em tempo recorde para os 1.100 metros na areia.

Ler na íntegra

Doze pagam added para o Grande Criterium

GP Linneo de Paula Machado (gr.I) marcará o primeiro embate de graduação máxima da geração 2014 acima da milha.

Ler na íntegra