22 abr 2019 | 11:52:22

EUA: Coalizão de hipódromos vetará utilização da furosemida em provas para 2 anos e stakes

Grupo de hipódromos, que abrigam 86% dos stakes disputados no país, não permitirá a utilização da furosemida, nessas corridas, a partir de 2021. Um ano antes, em 2020, provas para animais de 2 anos terão a mesma restrição.

Furosemida entra na rota das medicações vetadas para stakes em alguns dos principais hipódromos norte-americanos.

Imagem: TheHorse.com

A partir de 2021, a furosemida deixará de ser permitida em stakes disputados em diferentes hipódromos norte-americanos, que abrigam 86% desse tipo de corridas, no país. A decisão foi divulgada por uma coalizão, composta por tais hipódromos, na última quinta-feira (18), repercutindo em diversos veículos da mídia especializada.

Conforme publicação da Blood Horse, a furosemida estará banida dos stakes a ser disputados nos hipódromos operados por Churchill Downs Inc., pela New York Racing Association e pelo Stronach Group, além dos hipódromos de Del Mar, Keeneland, Lone Star Park, Los Alamitos, Oaklawn Park, Remington Park e Tampa Bay Downs. Não obstante, a partir de janeiro de 2020 a furosemida, aplicada no dia da corrida, não será tolerada para provas destinadas a produtos 2 anos, nesses mesmos hipódromos.

A decisão da coalizão foi vista sob diferentes prismas e como resultado de diferentes motivações. Desde a mais evidente, que se refere à pressão provocada pela série de acidentes fatais ocorridos em Santa Anita Park (que abriu margem a intensos questionamentos acerca da medicação no turfe) até uma guinada em direção aos padrões internacionais de controle de utilização de substâncias, muitas são as razões que permeiam a aludida decisão.

“Esse novo programa é um passo essencial à medida que visamos uma maior sustentabilidade para os animais criados nos Estados Unidos sob os protocolos padrão em níveis internacionais. Proteger a integridade do nosso esporte é o mote da nossa missão bem como é uma responsabilidade comum (dos agentes) da indústria”, declarou Bill Thomason, CEO de Keeneland.

O manifesto exteriorizado pela coalizão recebeu apoio de diferentes instituições, tais quais a Breeders’ Cup, a Thoroughbred Owners and Breeders Association e a Kentucky Thoroughbred Association.

Mais notícias

Fast Jet Court levanta a Prova Especial Eleutério Prado

Debutante vitoriosa pertence ao Haras Cima.

Ler na íntegra

Debaixo de chuva e controvérsias, Country House vence o Kentucky Derby (gr.I)

Filho de Lookin At Lucky foi beneficiado pela polêmica desclassificação de Maximum Security.

Ler na íntegra

Coolmore adquire participação em Maximum Security

Múltiplo ganhador de G1 servirá no Ashford Stud, ao final da campanha. Seu pai, New Year’s Day, esteve no Brasil, em 2019.

Ler na íntegra