26 set 2018 | 18:06:34

Kentucky: alteração na regra antidoping amplia defesa de treinadores

Tradicional regra de responsabilidade absoluta do treinador dá lugar à possibilidade de defesa e absolvição, caso haja evidências robustas, de ausência de culpa, apresentadas pelo profissional.


Em reunião da Kentucky Horse Racing Commission realizada nesta terça-feira (25), no Kentucky Horse Park, uma atualização das normas locais, sobre corridas de cavalo, foi apresentada. Dentre as novidades do código, a queda da regra da responsabilidade absoluta dos treinadores, em casos de doping, que passa a dar lugar a uma maior capacidade de defesa, e prova de ausência de culpa, por parte dos profissionais.

Conforme reportado por Frank Angst, no website da Blood Horse, as novas normas das corridas do Kentucky serão submetidas, na sequência, à aprovação da Legislative Research Commission, devendo ser promulgadas no primeiro trimestre de 2019.

A alteração na norma antidoping do Kentucky é uma resposta ao caso protagonizado pelo treinador Graham Motion, em 2017. Na ocasião, um juiz da Corte de Franklin cassou suspensão aplicada a Motion, após teste positivo de um pensionista seu, para methocarbamol. A decisão judicial em questão sustentou que a criação de uma regra de responsabilidade absoluta do treinador, no código de corridas local, seria inconstitucional, à medida que se estaria retirando do acusado todas as prerrogativas de defesa às quais faria jus.

Nos termos da nova norma do Kentucky, caso um determinado animal venha a testar positivo, seu treinador será suspenso, exceto se o profissional apresentar evidência robusta de que não contribuiu para o fato. A exceção, há pouco mencionada, corresponde à novidade na norma, que até então continha, apenas, a condição do treinador como sendo o único e exclusivo responsável pelas condições do animal – e, consequentemente, por eventual reprovação daquele, por doping.

Agora, os treinadores terão o direito de ser ouvidos, antes da tomada da decisão por comissários e autoridades afins.

Essa não foi, contudo, a única novidade trazida em termos de norma antidoping, pela atualização do código. O doping, até então descrito como o impacto de uma substância proibida na performance de um animal, passa a significar, simplesmente, a deflagração de substância estranha (proibida) no exame do animal. A alteração foi realizada como meio de enfrentamento às alegações de que o doping, para assim o ser classificado, deveria, obrigatoriamente, potencializar a performance de um competidor.

Além das novidades na pauta antidoping, a nova disposição das normas das corridas no Kentucky alterou o funcionamento dos páreos de claiming. Agora, um animal somente passará a ser considerado adquirido pelo novo proprietário quando liberado, pelo serviço veterinário, após a corrida. Por consequência, caso um animal, adquirido antes da partida, sofra qualquer lesão durante o páreo – ou assim seja diagnosticado pelos veterinários, após sua realização – a compra estará desfeita, sem que seja acarretado qualquer prejuízo ao eventual adquirente.

Mais notícias

Orario Pubblico supera "faixa" Olhar Mágico no Clássico Derby Paranaense (L)

Parelha favorita da Coudelaria Baptista proporcionou chegada emocionante na prova central da quinta-feira, em Curitiba.

In Essence segue invicta e mira o Suckow

Potranca do Haras Santa Maria de Araras foi a melhor no Grande Prêmio Costa Ferraz (G3).

Quick’n Easy: arremate irresistível no GP Francisco Vilella de Paula Machado (gr.II)

Potranca pertence ao Haras Doce Vale.