18 set 2020 | 21:02:53

Pedigree & Black Type: os Ganhadores Clássicos no Brasil - 17ª Edição

Nesta edição: Abu Dhabi e Tanganyka

Abu Dhabi

Imagem: Sylvio Rondinelli/Divulgação JCB

Abu Dhabi – Grande Prêmio Cruzeiro do Sul (G1) – 2.400m/grama – Produtos de 3 anos – Gávea – Criação: Stud Rio Dois Irmãos – Propriedade: Haras das Estrelas

Sempre conferindo, nos páreos de distâncias mais alentadas destinados à geração 2016, Abu Dhabi consagrou sua campanha ao vencer o Derby, anotando nova prova de G1 para o curriculum de Agnes Gold (Sunday Silence e Elizabeth Rose, por Northern Taste). Em campanha, no Japão, Agnes Gold foi à raia por 7 vezes, convertendo 4 delas em vitórias. As principais, em duas listed races.

Após 3 temporadas servindo, como garanhão, naquele país, veio ao Brasil, em 2009. Agnes Gold tem, em Abu Dhabi, seu sétimo produto ganhador de G1. Os outros 6: Ivar, Antonella Baby, Abidjan, Energia Fribby, Silence Is Gold e Mais Que Bonita. 

A mãe de Abu Dhabi foi égua de excelente campanha: Fugazi (Crimson Tide), vencedora dos Grandes Prêmios José Bonifácio Coutinho Nogueira (G2) e José Paulino Nogueira (G3), além de ter obtido um terceiro lugar no GP Diana (G1), vencido por Viva Rafaela. Abu Dhabi é o segundo produto de Fugazi, sendo que a cria subsequente corresponde a The Sister, irmã própria do derby winner, que venceu If Looks Like, na estreia, e já conta com segundo lugar em prova de G3.

Fugazi

Imagem: Paulo Bezerra Jr.

Já a terceira mãe de Abu Dhabi é Dominance (Dark Brown), criada na Argentina, pelo Haras Rosa do Sul, e que aqui obteve 3 vitórias, além de ter sido clássica de listed e G3. Seu principal produto foi Marenostrum, que abandonou o “perdedor” no GP Juliano Martins (G1) e, em Dubai, formou a dupla no UAE Derby (G2). Trata-se da terceira mãe, também, de Souvenir, vencedora de listed e hoje reprodutora no Haras Vale Verde.

No pedigree de Abu Dhabi destaca-se, ainda, o nome da britânica Fallow’s Sister (Worden), que, enviada para a Argentina, produziu ninguém menos que Fain, o craque invicto do Haras Santa Maria de Araras que venceu, dentre outros páreos, o Gran Premio Carlos Pellegrini (G1) de 1986.

Inbreedings de Abu Dhabi: Northern Dancer (4x4). Família 3-j

Tanganyka – Grande Prêmio Zélia Gonzaga Peixoto de Castro (G1) – 2.400m/grama – Potrancas de 3 anos – Criação e propriedade: Carlos dos Santos

Tanganyka

Imagem: Sylvio Rondinelli/Divulgação JCB

Responsável por tirar a tríplice coroa de Mais Que Bonita, Tanganyka marcou mais um ponto de graduação máxima para Midshipman (Unbridled’s Song e Fleet Lady, por Avenue of Flags). Aos 2 anos, Midshipman venceu a Breeders’ Cup Juvenile (G1) – ocasião na qual derrotou, dentre outros, Pioneeof The Nile – e o Del Mar Futurity (G1), sagrando-se o melhor potro de 2 anos dos Estados Unidos, no respectivo Eclipse Award.

Alojado na seção norte-americana da Darley, Midshipman produziu as boas Princess Warrior e Lady Shipman, vencedoras de G2 e G3, respectivamente. Foi no Brasil, entretanto, que obteve suas primeiras vitórias de graduação máxima, como reprodutor – quando de sua passagem, por aqui, em shuttling realizado no ano de 2015. Além de Tanganyka, produziu a ganhadora do GP João Cecílio Ferraz (G1), Tweet e o ganhador do GP Estado do Rio de Janeiro (G1), Royal Ship, que recentemente estreou, nos Estados Unidos, finalizando em terceiro na Del Mar Mile (G2).

Tanganyka é o primeiro produto de Tazmania (Romarin), ganhadora de 4 corridas, entre Cidade Jardim e Gávea. Tazmania, por sua vez, descente da ótima Taverne (Torrential), que venceu o GP Presidente Hernani Azevedo Silva (G2) e o Clássico Presidente Luiz Oliveira de Barros (L). Antes de Tanganyka, Taverne já havia dado à luz Taksim, vencedor do GP Francisco Eduardo de Paula Machado (G1). Trata-se, portanto, de uma das mais importantes matrizes da criação de Carlos dos Santos.

Taksim

Imagem: Sylvio Rondinelli/Divulgação JCB

A terceira mãe de Tanganyka, Tatushka (Sunny’s Halo), destacou-se por originar Taleban, meio fundista de campanha essencialmente clássica, com vitórias no GP Doutor Frontin (G2) e no Clássico Justiça do Trabalho (L), além de colocações diversas em provas de G1.

Na linha baixa da corredora destaque, ainda, para Kahena (Foxglove), de Roberto Alves de Almeida, a oitava mãe de Tanganyka. Foi ela a ganhadora da versão paulista do GP Diana, em 1947.

Inbreedings de Tanganyka: Mr. Prospector (5X5). Rasmusen Factor em Killaloe. Família 9-g.

Mais notícias

Galeria do Leilão da Criação Nacional ABCPCC: Tweet & Kris Five

Ler na íntegra

Gulf Watch brilha na Copa ABCPCC Regional (L)

Defensor de Roberto V. de Aguiar da Costa confirmou retrospecto que faz dele um dos líderes da geração 2015, em Porto Alegre.

Ler na íntegra

Em final de emoção, melhor para Bavaro Beach no GP Julio Cápua (gr.II)

Potro do Stud Quintella obteve seu batismo clássico.

Ler na íntegra