Banner Haras Regina Topo
18 Dez 2017 | 19:44:54

Geração 2015: neta de Immensity e filha do velocista Trinniberg, Artilharia Pesada inaugura pista de Gávea, para as mais novas.

Criada pelo Haras Ponta Porã, defensora do Haras Raiz da Serra venceu eliminatória disputada, no domingo (17), por potrancas de 2 anos.

Artilharia Pesada conta com a craque Immensity no posto de segunda mãe

Imagem: Gérson Martins

Além das quatro provas de graduação disputadas ontem (17), na Gávea, a programação carioca comportou a realização da primeira eliminatória local destinada à geração 2015. Se, em Cidade Jardim, Pontaseca venceu o primeiro embate dos mais novos, no Rio de Janeiro tal incumbência ficou a cargo de Artilharia Pesada, filha de Trinniberg e Maktub (Punk), de criação do Haras Ponta Porã e propriedade do Haras Raiz da Serra.

Conduzida por Francisco Chaves, Artilharia Pesada venceu na condição de maior rateio do páreo: R$ 11,60. Sem sustos, a corredora superou a favorita Princess Tetê (Wild Event), que teve de se contentar com a formação da dupla, a 1 corpo e ½. Jesses Miss (4 corpos e ¾), a primeira Discreet Cat da geração nacional deste, a debutar, ficou com o terceiro posto.

Made In China (por Major Storm, 5 corpos) e Golden Wind (por Drosselmeyer, 8 corpos e ¼) deram números finais ao marcador. A seguir, Mariana do Brejo e Muguruza Bunny. Não correram Garra e Nagoya.

Treinada por Jesus Batista Nogueira, na Gávea, Artilharia Pesada percorreu os 800 metros na grama (leve, com 3m de cerca móvel) em 45.48.

O pai de Artilharia Pesada, Trinniberg (Teuflersberg) veio ao Brasil, no ano de 2014, em shuttling realizado pelo Haras Ponta Porã. Vitorioso em 5 das suas 19 saídas, Trinniberg conquistou a principal vitória por ocasião da Breeders’ Cup Sprint (gr.I) de 2012. O êxito lhe rendeu, ao final da temporada, o Eclise Award de melhor velocista. Trinniberg, que ingressou na reprodução no primeiro semestre de 2014, nos Estados Unidos, foi o reprodutor que mais cobriu na temporada em que esteve aqui: 139 éguas – uma a mais que Shanghai Bobby. Como resultado, houve o registro de 101 produtos no Stud Book Brasileiro.

Se Trinniberg representa uma novidade para o turfista brasileiro, na linha baixa de Artilharia Pesada, porém, há um ícone das corridas locais, de longa data nas lembranças, e no imaginário, dos aficionados de plantão. A segunda mãe, Immensity (Zenabre) – de criação e propriedade do Haras Ponta Porã – consagrou-se como a primeira (e até agora, única) égua brasileira a vencer o GP Carlos Pellegrini (gr.I), no ano de 1983. Antes disso, ela havia conquistado, em Cidade Jardim, os Grandes Prêmios Diana (gr.I) e Derby Paulista (gr.I) – neste também figura como a última fêmea a vencê-lo.

Mais notícias

Regulamento do Troféu Mossoró

Confira o novo regulamento da premiação anual do turfe brasileiro.

Ler na íntegra

Olímpico estreia com vitória na Prova Especial Soberbo

Produto do nacional Jeune-Turc pertence ao Haras Moema.

Ler na íntegra

Secreto Di Donna confirma forma estupenda entre os velocistas, na areia

Filho do nacional Bandido Secreto, de propriedade de João Boyadjian, venceu o Clássico Presidente João Tobias de Aguiar – Multiaços (L).

Ler na íntegra