Banner Haras Regina Topo
20 out 2018 | 15:44:58

Cracksman e Roaring Lion brilham no Champions’ Day de Ascot

Dois dos principais animais em atividade no turfe europeu confirmaram seus respectivos favoritismos em provas de graduação máxima do festival britânico.

Num replay de 2017, Cracksman venceu, aos esbarros, o Champion Stakes.

Imagem: Alan Crowhurst/Irish Times

Neste sábado (20), o hipódromo de Ascot teve a realização de uma das suas mais importantes datas. Reunindo 4 provas de graduação máxima, o Champions’ Day teve, em Cracksman e Roaring Lion suas principais estrelas.

Prova central da programação, o Champion Stakes (gr.I), em 2.000m (aprox.) na pista de grama, para produtos de 3 e mais anos, com £ 1,3 milhão de bolsa, foi vencido – a exemplo do ocorrido em 2017 – por Cracksman, 4 anos, filho de Frankel e Rhadegunda (Pivotal), criado na Grã-Bretanha por Hascombe & Valiant Studs e pertencente a A. E. Oppenheimer.

Com Frankie Dettori “up”, Cracksman aguardou na quarta colocação, até a entrada da reta final. Na hora da verdade, despachou seus adversários, sem dificuldades. Crystal Ocean (Sea The Stars), que vinha de escoltar Enable no September Stakes (gr.III), formou a dupla a 6 corpos. Subway Dancer (Shamardal) finalizou em terceiro.

Treinado por John Gosden, Cracksman obteve a oitava vitória em 11 corridas. Na quarta vitória de G1, percorreu a distância no tempo de 2:08.79.

Na sua possível última corrida (o que poderá, ser adiado, por uma eventual participação na Breeders’ Cup Mile (gr.I)), que está sendo estudada), Roaring Lion, 3 anos, filho de Kitten’s Joy e Vionnet (Street Sense), criado nos Estados Unidos por Ran Jan Racing e pertencente a Qatar Racing, levantou o Queen Elizabeth II Stakes (gr.I), em 1.600m na grama, para produtos de 3 e mais anos, £ 1,1 milhão de bolsa.

Corrido de alcance por Oisin Murphy, Roaring Lion dava impressão, a 400 metros do disco, que liquidaria seus adversários, com extrema facilidade. No entanto, além de ter encontrado em Century Dream (Cape Cross) um resistente oponente, ainda sofreu perigosos avanços da potranca I Can Fly (Fastnet Rock) nos lances decisivos. Fazendo valer sua categoria, Roaring Lion bateu I Can Fly por pescoço, enquanto Century Dream completou a trifeta.

Em estado de graça, John Gosden encilhou Roarion Lion para que este conquistasse a oitava vitória em 12 saídas. Vencedor de 4 provas de G1, percorreu a milha no tempo de 1:42.48. Algumas horas depois o páreo, o Thoroughbred Daily News informou que Roaring Lion servirá no Tweenhills Stud, em 2019.

Treze dias após finalizar em décimo no Arco do Triunfo, Magical, 3 anos, filha de Galileo e Halfway To Heaven (Pivotal), criada na Irlanda por Orpendale, Chelston & Wynatt e de propriedade de Derrick Smith, Susan Magnier & Michael Tabor, venceu o Champions Fillies & Mares Stakes (gr.I), em 2.400m (aprox.) na grama, para éguas de 3 e mais anos, com bolsa de £ 600 mil. 

Conduzida por Ryan Moore, superou Coronet (Dubawi) por 1 corpo. Em terceiro, Lah Ti Dar (Dubawi). Treinada por Aidan O’Brien, Magical obteve a quarta vitória em 11 corridas. Tempo de 2:33.28. Replay aqui

Sands of Mali, 3 anos, filho de Panis e Kadania (Indian Rocket), criado na França por Simon Urizzi e pertencente a The Cool Silk Partnership, conquistou o Champions Sprint Stakes (gr.I), em 1.200m na grama, para animais de 3 e mais anos, com dotação de £ 632 mil. Recebendo condução de Paul Hanagan, bateu Harry Angel (Dark Angel) por 1 corpo. Richard Fahey é o treinador de Sands of Mali, dono de 5 vitórias em 12 saídas. Tempo de 1:14.21. Replay aqui.

Mais notícias

Leandro Henrique embarcará no domingo para Hong Kong

Líder da estatística na Gávea será o primeiro jóquei, radicado no Brasil, a participar do Longines International Jockeys’ Championship.

Ler na íntegra

De ponta a ponta, Henri Matisse vence a Prova Especial Heitor de Lima e Silva

Defensor do Stud Doce Ilusão derrotou os mais velhos na noturna carioca.

Ler na íntegra

ABCPCC entrevista: Lineu de Paula Machado (parte final)

Idiossincrasia do turfe brasileiro, o Haras São José & Expedictus atravessou gerações, acumulando admiradores e troféus. Na memória de Lineu de Paula Machado, recordações de uma história fantástica, escrita por milhares de patas e iniciada, no século XIX, pelo avô Linneo.

Ler na íntegra