14 dez 2021 | 18:30:09

Criação brasileira perde Holding Glory

Um dos mais promissores valores, dentre os reprodutores nacionais em atividade, morreu em Bagé, aos 12 anos.


Holding Glory

Imagem: Faby Mattos/Anuário de Reprodutores ABCPCC

Dono de resultados expressivos, logo em suas primeiras experiências na reprodução, Holding Glory, 12 anos, filho de Public Purse e Mexican Daisy (Jules), morreu nesta terça-feira (14), vitimado por um mal súbito. O crioulo da Coudelaria Jéssica encontrava-se sediado no Haras Bagé do Sul.

Nascido em 2009, Holding Glory cumpriu campanha na Gávea, sob os cuidados de Julio Cezar Sampaio e defendendo a farda de seu próprio criador. Depois de estrear, aos 3 anos, com um segundo lugar, viria a obter três vitórias consecutivas, sendo a última delas no Clássico Julio Cápua (L., 1.600m/grama).

Reaparecendo diretamente no GP Estado do Rio Janeiro (G1), no qual finalizou em quinto para Aerosol, Holding Glory despediu-se do Brasil com vitória no GP Francisco Eduardo de Paula Machado (G1, 2.000m/grama), a 2ª prova da tríplice coroa carioca.

Enviado para os Estados Unidos, Holding Glory estreou naquele país fazendo segundo, para o clássico de G1 You Know I Know, num allowance, de US$ 60 mil, em Del Mar. Em seguida, encarou a primeira turma da costa oeste no Pacific Classic Stakes (G1), vencido por Game On Dude e no qual Holding Glory obteve uma boa quinta colocação. Por fim, foi oitavo no John Henry Turf Championship Stakes (G2). No exterior, recebeu treinamento de Antônio Ávila.

Holding Glory ncerrou campanha com 4 vitórias em 9 corridas e mais de US$ 100 mil em prêmios.

De volta ao Brasil, a fim de servir na reprodução, Holding Glory cumpriu sua primeira temporada de monta em 2017. De sua geração de estreia – e a única corrida, até aqui – fazem parte, dentre outros, o melhor velocista de São Paulo na atualidade (múltiplo ganhador graduado) Vôo de Ícaro, e o líder gaúcho, vencedor da Taça de Cristal (L) e do Protetora do Turfe (L), Glory War.

Quarta colocada no GP Diana (G1), Gaya do Jaguarete, e a velocista clássica, Once Upon A Time, são outros destaques de sua primeira geração.

Dos seus 19 produtos corridos, até o momento, 14 venceram.   

No ano de 2018, Holding Glory realizou 9 coberturas, com 9 produtos registrados no Stud Book Brasileiro. Em 2019, padreou 8 éguas, com 7 nascimentos comunicados. Em 2020 houve 17 coberturas e, até aqui, o registro de 6 produtos da geração 2021.

Mais notícias

Bien Sureño conqusita batismo clássico

Alazão de Neverending Stud venceu o Clássico Perfeito de São Paulo (L).

Oceano Azul confirma favoritismo e mostra forma para a tríplice coroa

Champion 2yo nacional venceu o Grande Prêmio José Buarque de Macedo (G3).

Ohio faz brilhar a criação Peixoto de Castro no Frank E. Kilroe Mile Stakes (gr.I)

Filho de Elusive Quality tornou-se o quinto brasileiro a vencer a tradicional disputa dos milheiros.