07 jan 2021 | 22:10:20

Pedigree & Black Type: os Ganhadores Clássicos no Brasil - 33ª Edição

Nesta edição: Captain My Captain, Life Is Beautiful, Nordland e Rita Di Cascia.

Captain My Captain

Imagem: Porfírio Menezes/Divulgação JCSP

Captain My Captain – Criação: Haras Old Friends – Propriedade: Coudelaria Fantastic

Clássico Farwell (L) – 1.600m/grama – Produtos de 3 anos – Cidade Jardim

Tendo despontado como bom e versátil valor da geração 2017, Captain My Captain é filho do norte-americano, com campanha europeia, Mellon Martini (Sadler’s Wells e Sand Springs, por Dynaformer). Em 7 saídas, na França, Mellon Martini obteve 2 vitórias, incluindo o Prix Matchem (L), além de ter finalizado, em segundo, no Prix Daphnis (G3) e em quarto no Prix Guillaume D’Ornano (G2).

Trazido ao Brasil, Mellon Martini ingressou na reprodução em 2012. Logo em sua primeira geração produziu Grand Martini, vencedor de G3, aos 2 anos, em São Paulo. Além de Captain My Captain, os colocados clássicos Che Bella Martini e o precocemente desaparecido Chez Eux, foram outros elementos de realce, produzidos por Mellon Martini, em atuação, no Brasil, em 2020.

A mãe de Captain My Captain, Principessa Carla (Elusive Quality), obteve 3 vitórias, na Gávea. Antes de Captain My Captain, já havia produzido a velocista Best Magee, de 3 vitórias, incluindo o GP Independência (G3) – sem prejuízo de colocações em provas de G1 e G2.

Segunda mãe do corredor, Nossa Magee (Our Emblem) venceu 1 corrida, em São Paulo, e descende de Etoile Magee (Ghadeer), por sua vez detentora de 7 primeiros lugares, na capital paulista. Etoile Magee produziu Our Magee, que também somou 7 vitórias, incluindo o GP Nestor Jost (G3).

Desejado Thunder

Imagem: Gustavo Duprat

Já a quarta mãe de Captain My Captain, Rose Magee (Spend A Buck), além de 3 vitórias, em São Paulo, e colocação em G2, revelou-se avó materna de sucesso. Ela encontra-se, nessa posição (por meio da ótima Glorious Magee), nos pedigrees de Desejado Thunder, um dos melhores velocistas brasileiros do Século XXI, múltiplo ganhador de G1, produtor clássico e precocemente falecido; de Desejado Magee, ganhador da G2; e é terceira mãe de Guy Savoy, igualmente vencedor de G2.

Destaque no pedigree de Captain My Captain, ainda, para Dona Magee (Dare), que, importada pelo Haras Rosa do Sul, da Argentina, incorporou sua linhagem na criação brasileira. Ganhadora de prova clássica, em seu país de origem, Dona Magee consta nas filiações de diversos corredores clássicos, em solo brasileiro.

Inbreedings de Captain My Captain: Northern Dancer (4x5x5), Mr. Prospector (4x4) e Hail To Reason (5x5). Família: 16-h.

Life Is Beautiful

Imagem: Porfírio Menezes/Divulgação JCSP

Life Is Beautiful – Criação e Propriedade: Haras Springfield

Clássico Emerald Hill (L) – 1.600m/grama – Potrancas de 3 anos – Cidade Jardim

Tendo figurado com destaque nos principais páreos destinados às potrancas, durante o ano, na capital paulista, Life Is Beautiful descende de Wild Event (Wild Again e North of Eden, por Northfields), vencedor de 9 páreos, nos Estados Unidos, incluindo o Early Times Turf Classic S. (G1). Pai de stakes winners, em seu país de origem, viria a atingir no Brasil, todavia, números e destaque até então inimagináveis. Wild Event foi eleito, por 5 vezes, Melhor Reprodutor, no Troféu Mossoró.

Believable Winner (Put It Back), mãe de Life Is Beautiful, obteve 2 primeiros lugares, na Gávea, e tem na própria Life Is Beautiful o seu primeiro produto. Já a segunda mãe da corredora, Just A Winner (Roy), conquistou 1 vitória, no Rio de Janeiro. Foi na reprodução, contudo, que passou a ocupar posição de destaque, revelando-se múltipla produtora clássica.

Just A Winner deu à luz a ganhadora do “Brasil das Éguas” (e mãe do ganhador de G2, Demon Master), Realy Winner; Trip Over, ganhadora de G2 e mãe da vencedora de G3, Change of Plains; e Que Victoria, múltipla ganhadora de listed, clássica de G1 e mãe do ganhador de G3, Calígrafo. Award Winner e Sobrevoando, donos de colocações clássicas, também recebem relevo na produção de Just A Winner.

Smile Jenny

Imagem: Gérson Martins/Divulgação JCB

Trazida dos Estados Unidos, pelo Haras Santa Maria de Araras, Infinit Winner (L’Emmigrant), a terceira mãe de Life Is Beautiful, obteve 1 êxito, na Gávea. Além de Just A Winner, também produziu Nights On Broadway, por sua vez a segunda mãe da ganhadora de G1, Naomi Broadway, e do ganhador de G1, Old Shipman.

Menção, ainda, para a quinta mãe de Life Is Beautiful, a norte-americana Sarah Gamp (Hoist The Flag), detentora de colocações, em seu país de origem. Matriarca de grande destaque, é nome presente aos pedigrees de uma legião de craques e ganhadores de G1, tais quais Sally Girl, Smile Jenny, He Runs Away, Safari Queen, Safari Girl, Safari Miss, Beach Ball, Para-Choque, Campeoníssimo, Easiest Way, Homer Screen etc.

Inbreedings de Life Is Beautiful: Nearctic (4x5). Família: 13-c.

Nordland

Imagem: Porfírio Menezes/Divulgação JCSP

Nordland – Criação: Haras São José da Serra – Propriedade: BGC Thoroghbreds Stud

Clássico Emerson (L) – 2.400m/grama – Produtos de 3 anos – Cidade Jardim

Mostrando plena adaptação ao percurso alentado, Nordland conquistou seu batismo clássico e tornou-se mais um black type winner produzido por Courtier (Pioneerof The Nile e Soothing Touch, por Touch Gold), um norte-americano com a “etiqueta” da Juddmonte Farm, nascido em 2012. Em 9 saídas, nos Estados Unidos, obteve 3 vitórias, incluindo o Centaur Stakes (L).

Irmão materno da múltipla ganhadora de G1, Emollient, do stakes winner, agora garanhão, em Bagé/RS, Holfburg Courtier produziu, logo na primeira “fornada”, os múltiplos ganhadores de G1, Dashing Court e Fast Jet Court, além da ganhadora de G2, Got Court.

Nordland descende da norte-americana Amore Bionda (Henrythenavigator), sem campanha e inédita, pelo Stud TNT. Nordland é o seu primeiro produto. Amore Bionda é filha da excepcional Jewel Princess (Key To The Mint), de 13 vitórias, sendo 4 de graduação máxima – incluindo a Breeders’ Cup Distaff (G1). Agraciada com o Eclipse Award de Melhor Égua dos EUA, em 1996, Jewel Princess é avó materna do ganhadora de G1, Dancing Rags, do ganhador de G2, Coup de Grace, e do ganhador de G3, El Caballo.

Jewel Princess

Imagem: Blood Horse

Jewel Princess descende de Jewell Ridge (Melyno), de 1 vitória, também avó materna da ganhadora de G3, My Princess Jess. A mãe de Jewell Ridge, Say What You Mean (Judger), também conquistou 1 vitória, em campanha, sendo mãe da ganhadora de G3, Gerrie Singer, e segunda mãe do ganhador de G2, Globalize.

No pedigree de Nordland há destaque, ainda, para Queen Empress (Bold Ruler) e Irish Jay (Double Jay), suas sexta e sétima mães, respectivamente. Queen Empress venceu, dentre outras provas, o Frizette Stakes, sendo eleita Melhor Potranca de 2 Anos, nos EUA, em 1964. Já Irish Jay conquistou, dentre outros páreos, o Acorn Stakes, tendo sido, também, destacada reprodutora – incluindo os garanhões King Emperor e What Luck.

Inbreedings de Nordland: Mr. Prospector (4x5). Família: 23.

Rita Di Cascia (pelo centro)

Imagem: Sylvio Rondinelli/Divulgação JCB

Rita Di Cascia – Criação e Propriedade: Haras Clark Leite

Grande Prêmio Mariano Procópio (G3) – 1.600m/grama – Potrancas de 3 anos – Gávea

Tendo protagonizado, com sucesso, o difícil papel de algoz de If Looks Like, Rita Di Cascia é uma First American (Quiet American e In Jubilation, por Isgala), que competiu no seu país de origem – EUA – onde conquistou 2 vitórias, incluindo o Flamingo Stakes (G3).

No Brasil, como reprodutor, First American foi capaz de gerar ganhadores clássicos dos 1.000 aos 3.000 metros. Múltiplo ganhador de G1, incluindo o GP São Paulo, e atualmente reprodutor (pai de black type winner), Timeo é um dos chamarizes de sua produção, a exemplo dos também ganhadores de graduação máxima Outplay, Uncle Tom, That Sunday e Cores do Brasil. Além de seus filhos e filhas, First American – desaparecido em 2017 – vem revelando-se eficiente avô materno, como, por exemplo, dos ganhadores de G1 Braço Forte e Silence Is Gold.

Mãe de Rita Di Cascia, a norte-americana Forever Gollygolly (Hat Trick) desenvolveu campanha no Brasil, tendo obtido 5 vitórias, na Gávea. Já a segunda mãe de Rita Di Cascia, Street Art (Street Cry), foi exporta inédita, dos EUA para a Coréia do Sul.

Hat Trick

Imagem: EquiSport

Street Art descende de Deux Anes (Longleat), uma britânica que atuou, além de seu país de origem, também nas corridas de Alemanha, EUA e Bélgica. Nesse último país, aliás, foi onde iniciou sua campanha, vencendo 3 listed races e sagrando-se Melhor Potranca de 2 Anos. Deux Anes produziu a ganhadora de G3, nos EUA, Make Up Artist.

Quarta mãe de Rita Di Cascia, Song God (Red God), foi uma britânica de 2 vitórias, no país de origem, onde também finalizou em terceiro no William Hill Trophy Handicap (black type). Figura como terceira mãe de Golden Lullaby, uma sul africana vencedora de G3.

Inbreedings de Rita Di Cascia: Mr. Prospector (4x5) e Dr. Fager (4x5). Família: 25.

por Victor Corrêa

Mais notícias

Jolie Olímpica: do – sentido – revés às perspectivas do calendário

Corredora brasileira perdeu sua invencibilidade, em final escamado, no Buena Vista Stakes (G2). Próximas atuações deverão pautar o rumo de sua campanha até festival da Breeders’ Cup.

Ler na íntegra

Itaperuna larga e acaba no GP Adhemar e Roberto Gabizo de Faria (gr.III)

Potranca do Stud Galope deixou os machos de mais idade para trás.

Ler na íntegra

Pineapple Pie faz jus à filiação e debuta com vitória em G3

Filha da ganhadora de G1, I Scream, potranca do Haras Doce Vale produziu estreia de luxo no GP Luiz Fernando Cirne Lima (gr.III).

Ler na íntegra