31 maio 2017 | 14:21:24

Conferência Pan-Americana: destaques e vídeos

Evento realizado em Washington entre os dias 17 e 19 de maio abordou importantes temas da indústria turfística mundial


Do treinamento ao marketing: temas de relevância na indústria turfística ganharam espaço nos painéis do evento

Imagem: Pan American Conference

Com a pauta dedicada aos mais diversos setores da indústria turfística internacional, a II Conferência Pan-Americana de Turfe foi realizada entre os últimos dias 17 e 19 de maio no Hotel Grand Hyatt, em Washington. Promovido conjuntamente pelo The Jockey Club (EUA) e Latin American Racing Chanel – sem prejuízo do apoio do Stronach Group - o evento reuniu mais de 400 representantes de diferentes segmentos, e países, relacionados ao turfe pan-americano.

Em apresentação de saudação aos presentes, no dia 18, o presidente do The Jockey Club, Stuart Janney III, destacou a importância do constante desenvolvimento, e unificação, do turfe norte-americano como um todo. Nesse sentido, o dirigente afirmou que o controle interestadual do esporte, com regras e procedimentos próprios, é algo ultrapassado e que merece reavaliação.

No mesmo mote, o congressista republicano do Kentucky, Andy Barr tratou do Horse Integrity Act em seu discurso, que foi o principal da data inaugural do evento. Barr, um dos co-autores do referido projeto de lei, que busca padronizar e unificar o controle antidoping nos Estados Unidos (no sistema vigente cada estado possui as suas próprias regras e procedimentos). Tendo “estacionado” após sua apresentação às casas legislativas norte-americanas, em 2015, o Horse Integrity Act será reintroduzido no congresso dentro de poucas semanas. De acordo com Barr – que voltou a destacar a importância do ato para a imagem e credibilidade do turfe norte-americano.

A Conferência também serviu de palco para um dos mais aguardados painéis de sua programação: a treinadora Criquette Head-Maarek (responsável pela bicampeã do “Arco”, Treve) na companhia dos também treinadores Ignacio Correas e Kenneth McPeek, debateram os desafios que permeiam as viagens, e atuações, dos animais em provas internacionais. O ponto mais sensível foi abordado por Correas (argentino radicado nos Estados Unidos), quando este tratou dos prejuízos acarretados pela quarentena norte-americana a animais provenientes da América do Sul. De acordo com Correas (em opinião corroborada, na sequência, por McPeek), os 7 dias da quarentena, durante os quais o respectivo animal fica obstado de praticar qualquer tipo de exercício, acabam com as chances de um animal treinado na América do Sul, eventualmente, participar de uma prova em solo norte-americano, em paridade de condições.

Quando das exposições de McPeek durante o debate, um momento, em especial, chamou a atenção dos brasileiros. O profissional, de estreita relação junto ao PSI nacional, citou Hard Buck (por ele treinado nos Estados Unidos) como o exemplo de cavalo ideal para competir em provas internacionais. A fácil adaptação do filho de Spend A Buck a diferentes ambientes, e estruturas de competição, aliada a seu notável espírito competitivo, permitiram que Hard Buck rendesse em alto nível em provas como o King George VI & Queen Elizabeth Stakes (gr.I) e a Dubai Sheema Classic (gr.I). Em ambas Hard Buck finalizou nas segundas colocações no ano de 2004.

No final do evento, o foco se deslocou do treinamento para a propriedade de cavalos, e da política para o marketing da atividade. No painel dedicado aos proprietários, alguns destacados representantes da classe, como Carlos Hellers, do Haras Don Alberto, trabalharam, dentre outras questões, a aquisição de garanhões, bem como os desafios e riscos de se manter um animal de alto nível em treinamento na América do Sul.

Em termos de marketing e divulgação das corridas, determinados dados e estatísticas trazidas à baila, se mostraram bastante interessantes e até mesmo surpreenderam a audiência do evento. Segundo o presidente de programação da NBC Sports, Jon Miller, o referido canal televisivo transmite, na grade aberta norte-americana, atualmente, 85 horas de turfe num período de 10 meses. Em 2011 havia apenas 32 horas durante o mesmo prazo referencial.

Jim Lawson (do Woodbine Entertainment Group), por sua vez, direcionou suas considerações para o marketing a ser desenvolvido junto aos públicos mais novos. Segundo Lawson, uma pesquisa encomendada pelo próprio Woodbine Entertainment Group revelou que 78% dos “millenials” – termo que designa as gerações “pós” ano 2000 – prefere gastar suas economias com eventos relacionados ao entretenimento, do que com a aquisição de bens materiais. Deste modo, as corridas de cavalo funcionariam como produto adequado aos anseios de consumo das novas gerações.

Também no dia 19 a superintendente da ABCPCC, Mayra Nouer Frederico, tratou dos avanços deflagrados na América do Sul em termos de política antidoping. A utilização de laboratórios certificados pela Federação Internacional de Autoridades Hípicas (IFHA) para a realização dos exames em participantes de provas black type no continente, a eliminação da furosemida em páreos de G1 disputados entre Brasil, Argentina e Chile e os impactos decorrentes das desclassificações de Don Inc (1º) e Rio Allipen (5º) do GP Longines Latinoamericano (gr.I) de 2016 foram destaques da apresentação da brasileira (a partir do minuto 53 no vídeo abaixo).

Para conferir os vídeos de toda a programação da II Conferência Pan-Americana de Turfe clique aqui.

Mais notícias

Belmont Park receberá arena multiuso e dirigentes idealizam pacote de revitalização

Anúncio foi realizado nesta quarta-feira (20) e oficializou a construção de arena multiuso para 18 mil pessoas. Reforma das raias e iluminação para corridas noturnas estão incluídas em pacote de melhorias vislumbrado pela New York Racing Association.

Pimper’s Paradise lidera dobrada do Haras Doce Vale no GP Presidente Vargas (gr.II)

Filho de Put It Back obteve seu batismo clássico.

Avião Sureño reaparece tinindo em São Paulo

Defensor de Neverending Stud venceu a Prova Especial C.P.O.R. de São Paulo.