24 mar 2020 | 17:11:26

Mensagem do Presidente

O descaso do Jockey Club Brasileiro sufoca sua gente.

O caos instalado pelo coronavirus num cenário de amplitude global: danos e sofrimento que não escolhem nem lugar, tampouco classe social. As últimas semanas estampam a luta de governantes e seus governados em busca das melhores técnicas e estratégias possíveis no combate à doença. Paralelamente: onde é possível e necessário, tenta-se mitigar os efeitos da crise no dia-a-dia de cada comunidade. Na contramão da doação, da compaixão em prol do próximo, encontra-se a situação do Jockey Club Brasileiro.

O Jockey Club do Rio Grande do Sul e o Jockey Club de São Paulo optaram por manter a realização dos páreos, sem a presença de público. Condições logísticas foram implementadas para permitir a promoção da atividade e, ao mesmo tempo, mitigar situações que pusessem em risco os profissionais envolvidos. Gente dos bastidores dos hipódromos e gente das cocheiras que, num exercício de resiliência, colaboraram para a manutenção dos programas.

No Jockey Club Brasileiro, porém, tudo na contramão.

O vergonhoso comunicado publicado no site do Jockey Club Brasileiro, na data de ontem, mergulha sua gente do turfe num oceano de incerteza e desespero. Nem uma linha sequer falando da previsão do retorno das corridas, datas, perspectivas, nada!

Pior, lança mão de falsa premissa. Joga-se a culpa no Decreto do Governo Estadual, que determina a não realização de atividades desportivas e culturais nas quais exista “aglomeração de pessoas”. Não há, porém, qualquer referencial numérico, em termos de público (máximo tolerado), imposto pelo Decreto. Pergunta-se: em qual data, o Jockey Club Brasileiro abriga público ao menos semelhante à aglomeração de pessoas?

Como se não bastasse, há um lamentável pano de fundo pairando sobre a Gávea: o pleito eleitoral de maio próximo. À medida que se evita o turfe, evita-se, também, uma maior circulação de ideias, propostas e projetos de campanha. De um lado, a mesquinharia eleitoreira. De outro, o desrespeito à cadeia produtiva do turfe e sua gente.

O interesse de uns poucos – ou de um só – contra a criação nacional, proprietários e profissionais do turfe. Inadmissível, mas nada surpreendente!

Antônio Landim Meirelles Quintella

Presidente da Associação Brasileira dos Criadores e Proprietários do Cavalo de Corrida

Mais notícias

Criação: aos 31 anos, um ponto final na vida de A. P. Indy

Lendário garanhão norte-americano teve seu falecimento anunciado pela Lane’s End Farm.

Ler na íntegra

Sete irão à raia na Copa ABCPCC Regional (L)

Prova será disputada no próximo dia 31 de julho, no Jockey Club do Rio Grande do Sul.

Ler na íntegra

Leilão de Coberturas ABCPCC movimenta R$ 181.500,00

Licitação foi encerrada nesta quinta-feira, tendo ocorrido, exclusivamente, via WhatsApp. Garanhões participantes terão suas gerações 2021 credenciadas ao festival da Copa dos Criadores.

Ler na íntegra